Notícias

Minicurso de aprofundamento – Autonomia e Tecnologias Contemporâneas de Controle: Biopoder, Reconhecimento Social e Democracia Radical – 12, 13 e 14 de maio, das 14h às 17h30

quarta-feira, 29 de abril de 2015, às 15:30
AVISO (29ABR2015)

Minicurso de aprofundamento

Autonomia e Tecnologias Contemporâneas de Controle:
Biopoder, Reconhecimento Social e Democracia Radical

Baixar cartaz

Ministrante: Professor Doutor Francisco José García Collado, UVic-UCC (Universitat de Vic-Universitat Central de Catalunya, Espanha) e UFG (Universidade Federal de Goiás)
Coordenadores: Professor Doutor Andityas Soares de Moura Costa Matos e Professor Doutor Renato César Cardoso
Duração: 3 dias (total de 12 horas/aula certificadas ao final do curso)
Dias: 12, 13 e 14 de maio de 2015, das 14h às 17h30.
Inscrições: Limitadas a 30 (trinta) vagas gratuitas para toda a comunidade acadêmica da UFMG, bastando enviar e-mail com nome completo e número de matrícula para anaclara.simoes@yahoo.com.br até 11 de maio de 2015.

EMENTA: a) Democracia radical, autonomia e instituição imaginária da sociedade. (C. Castoriadis). b) A biopolítica: o papel da neurociência e psicanálise na era da biopolítica. (M. Foucault e outros). Liberdade ou determinismo? c) A luta por reconhecimento. O direito à liberdade na era das patologias da razão nas democracias contemporáneas (problemas na construção de subjetividades nas questões ambientais e etno-raciais) (Axel Honneth e outros).

Dia 1. Tomamos como ponto de partida a Cornelius Castoriadis (filósofo, psicanalista e economista) e as suas reconsiderações da noção de democracia grega antiga para chegar à sua noção de “democracia radical” e para a abordagem de uma instituição imaginária da sociedade. Para fazer isso na primeira sessão vamos desenvolver vários conceitos como praxis, autonomia/heteronomia/alteronomía, democracia, política/político, imaginação radical, criação, encerramento de sentido, a reflexão, ensídico, teukhein e legein. Essas noções nos permitirão avançar na compreensão da ontologia política do autor para analisar a possibilidade de criar um ponto de ruptura na ordem vigente da concepção da realidade política, qualquer que seja.

Dia 2. Término do desenvolvimento da ontologia política de C. Castoriadis para tentar chegar a conclusões críticas sobre a relevância do seu trabalho na atualidade política. Vamos aproveitar os seus conceitos da psicanálise para lançar um link para o próximo bloco “b” em biopolítica. Para isso vamos atualizar várias noções psicanalíticas que nos permitem conectarmo-nos com o bloco “c”. Vamos trabalhar as noções de microfísica do poder, “metáfora cotidiana”, metáforas cognitivas de referência e as noções psicanalíticas de pulsões, fantasma, desejo e inconsciente ligadas à questão da formação da subjetividade inerente a biopolítica em sua recente atualização no campo da neurociência. Os autores trabalhados principalmente: M. Foucault, G. Agamben, George Lakoff, G. Pommier, P. F. Ansermet e Magistretti, N. Rose.

Dia 3. Iremos abordar a obra de Axel Honneth para focar as noções de angústia, liberdade individual e democracia, bem como a noção de desconforto na cultura freudiana. Assim, tambem vamos analisar os três pilares de sua teoria: amor, direito e solidariedade e as noções correspondentes que os acompanham: individual, pessoa e subjetividade assim como as patologias da razão.